• (31) 3031-2330
  • arraes@arraeseditores.com.br
Digite o que você procura

123

A RESPONSABILIDADE DE PROTEGER NO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

A intervenção militar como último recurso

Dê Sua Opinião Sobre o Produto

Autor: Ana Cristina Paulo Pereira, Rodrigo Cerveira Cittadino

ISBN: 9788582381267

Edição:

Ano: 2015

Número de páginas: 194

Tipo de acabamento: Brochura

Formato: 16x23

Disponível: Em estoque

Selo conselho

Preço

de R$69,00

por R$51,75

Cálculo de frete

 

Detalhes

Os conflitos armados, internos e internacionais, fazem parte da história da humanidade. Amparados por princípios do direito internacional público, que surgem com o objetivo de manter a paz e a segurança internacionais, governantes, militares e para-militares demonstram-se lenientes com o cometimento de atrocidades contra indivíduos, combatentes e não combatentes, na certeza da impunidade. O DIP, evoluindo para um direito mais “humanitário”, se reformula a partir do Século XX com o intuito de proteger os indivíduos sujeitos ao poder excessivo do Estado ou deixados a sua própria sorte. Nesse contexto, nasce um novo conceito na ordem internacional, a “Responsabilidade de Proteger” (R2P), cujo terceiro pilar propugna pela intervenção militar como último recurso para prevenir ou neutralizar três tipos de crime: crimes de guerra, crimes contra a humanidade, genocídio e limpeza étnica. Esse conceito, ainda pouco compreendido, vai exigir nova abordagem para velhos preceitos do DIP, cuja expressão maior ainda é o princípio da soberania estatal, mas agora relativizado com a superveniência dos direitos humanos na ordem internacional. Barreiras de cunho jurídico, político e mesmo econômico dificultam a implementação da R2P, mas todas elas superáveis face ao objetivo maior de proteger a humanidade. A intervenção humanitária propugnada pela R2P suscita diversos questionamentos: quando, quem e como intervir são os mais recorrentes, sem olvidar dos aspectos relacionados à reconstrução do país objeto da intervenção. A complexa aplicação da R2P conclama pela maior responsabilidade da Organização das Nações Unidas e, especialmente, dos membros do Conselho de Segurança. Na certeza de que ainda há muito a ser feito, a presente obra pretende contribuir para o estudo da R2P, abordando, de forma geral, os aspectos jurídicos que lhe estão atrelados e, de forma mais específica, a intervenção humanitária. Elaborada a partir de extensa pesquisa bibliográfica, os autores foram buscar embasamento em diversas fontes – desde tratados e convenções internacionais à doutrina, ademais dos documentos oficiais e da jurisprudência internacional relevantes para o tema. Pretende-se, através de abordagem ousada, demonstrar que a RP2, e especificamente seu terceiro pilar, mais do que simples ideal, é uma realidade que só depende da coragem de grandes estadistas e autoridades internacionais para se tornar um instrumento eficaz e entrar definitivamente no rol dos princípios fundamentais do direito internacional público, coexistindo com os demais princípios e normas de forma harmônica e sistemática.

Queremos saber sua opinião

Produto: A RESPONSABILIDADE DE PROTEGER NO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

Como você avalia este produto? *

  1 estrela 2 estrelas 3 estrelas 4 estrelas 5 estrelas
Qualidade

Informação Adicional

Subtítulo A intervenção militar como último recurso
ISBN 9788582381267
Autor Ana Cristina Paulo Pereira, Rodrigo Cerveira Cittadino
Edição
Ano 2015
Número de páginas 194
Tipo de acabamento Brochura

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book. It has survived not only five centuries, but also the leap into electronic typesetting, remaining essentially unchanged. It was popularised in the 1960s with the release of Letraset sheets containing Lorem Ipsum passages, and more recently with desktop publishing software like Aldus PageMaker including versions of Lorem Ipsum.

Mind